Pesquisar este blog

sábado, 26 de outubro de 2013

FAMÍLIA CARREIRA ALVIM COMEMORA O ANIVERSÁRIO DA TETÊ



Num almoço familiar, os Carreira Alvim comemoraram o aniversário da Tetê, em que estiveram presentes João Augusto e Mônica (pais do Rafael, meu genro), Dr. Silvério Cabral e Neves (pais do Júnior, meu genro), Rafael e Bianca, Luciana e Júnior, além dos netos Maria Luiza, João Pedro e Antônio (filhos de Bianca) e João Silvério (filho de Luciana) e Giovanna.

Na foto de cima, da esquerda para a direita, Mônica, Bianca, João Pedro, Maria Luiza, João Augusto, Giovanna, Tetê e Luciana.

Na foto de baixo o Dr. Silvério Cabral e sua mulher Neves.

O preparo foi do anjo de guarda da família, Raimunda de Cássia Oliveira, uma das grandes personagens do Furacão.

Carreira Alvim está do outro lado da foto, como fotógrafo, que, aliás, deveria ter sido, em vez de ser juiz da justiça (miragem) brasileira.  

O FURACÃO PELO MUNDO


Na semana que se encerra amanhã, o blog do Furacão foi acessado, dentre outros países, nos EUA, Alemanha, China, França, Reino Unido, Bélgica, Portugal, Ucrânia e Angola.

POESIA FAZ BEM À ALMA


"Ser poeta é ter na alma um doce enleio.
É ter o peito cheio de esperança.
E a mansidão total de uma criança.
Que necessita de cuidado alheio."
______________________________

NOTA: Estrofe feita ainda na adolescência e que nunca abandonou o meu espírito.

PARA MEDITAR E CONCLUIR

‎"Uma noite eu tive um sonho...
Sonhei que estava andando com o Senhor, e através do céu passavam cenas da minha vida. Para cada cena que se passava percebi que eram deixados dois pares de pegadas na areia: um era o meu e o outro do Senhor. Quando a última cena da minha vida passou diante de nós, olhei para trás, para as pegadas na areia, e notei que, muitas vezes, no caminho da minha vida, havia apenas um par de pegadas na areia. Notei, também, que isso aconteceu nos momentos mais difíceis e angustiosos do meu viver. 
Isso entristeceu-me deveras, e perguntei então ao Senhor: - Senhor, Tu me disseste que, uma vez que eu resolvi Te seguir, Tu andarias sempre comigo, mas notei que , durante as maiores atribulações do meu viver, havia na areia dos caminhos da vida apenas um par de pegadas. Não compreendo por que, nas horas que eu mais necessitava de Ti. Tu me deixaste. 
O Senhor me respondeu: - Meu precioso filho, Eu te amo e jamais te deixaria nas horas de tua prova e do teu sofrimento. Quando viste na areia apenas um par de pegadas, foi exatamente aí que Eu, nos braços te carreguei..." (Margareth F. Powers).  
__________________________________________________________________

NOTA: Foi exatamente assim que me senti, quando fui colhido pelo Furacão contra mim "desfechado" pela Justiça (STF), justamente aquela a que eu servira como magistrado toda a minha vida com a maior retidão e dignidade. 

MENSAGENS QUE CHEGAM PELAS REDES SOCIAIS

"Esta podridão é revoltante! Continue sempre lutando, professor! Se, ao final, a justiça continuar a falhar, você terá a consciência de que ela não conseguiu te calar." (Jaqueline Pessoa Cavalcante)


"Pura verdade, o que é de se lamentar. Talvez não lembre, mas, há algum tempo, pude dizer - ainda que virtualmente - a importância da trajetória de V. Exª para mim, tão bem retratada pelo Ministro Carlos Velloso no prefácio de sua insuperável obra "Elementos de Teoria Geral do Processo", a qual tive a oportunidade de conhecer na biblioteca da PUC-Rio, durante o 1º período do curso de Direito. Apesar dos [inúmeros] pesares - frutos, como bem disse, da nefasta "injustiça" que assola nosso país -, esteja certo de que a verdade dos fatos - cedo ou tarde - virá à tona, quando, então, os "injustos" se calarão. Abraço cordial." (Samuel Leme)


"Dr. José Alvim. O senhor estava certo. Um dia a verdade aparece." (José Alceu Alcântara)

CARREIRA ALVIM NA RADIO BAND-RIO-AM


CARREIRA ALVIM está na BAND-RIO-AM 1360 KHZ, no programa CSB NOTÍCIAS, das 20 às 21h, nas últimas sextas-feiras de cada mês, falando e comentando temas de interesse público.

Se você tem interesse na abordagem de algum tema específico, faça a sua sugestão pelo e-mail carreira.alvim@yahoo.com.br, inclusive indicando pessoas que possam ser contactadas para enriquecer o debate. 

No próximo dia 29 de novembro, teremos a participação do Dr. Rubens Teixeira, que escreveu, em coautoria com o juiz federal William Douglas, o livro "As 25 leis bíblicas do sucesso", dando a sua versão sobre a funcionalidade dessas leis. 

O programa mantém um site na internet: acesse  www.radiocsb.com e deixe lá os seus comentários.

NOVA LEI DO MANDADO DE SEGURANÇA


Esta obra é destinada a quem pretenda impugnar atos do poder público através de Mandado de Segurança, o que, em princípio, garante a rapidez da solução alvejada, sobretudo numa justiça, como a brasileira, em que demandar é mais do que percorrer uma via crúcis.   

PROVA TÉCNICA DESMENTE A POLÍCIA FEDERAL

(continuação)
___________________________________________________________

Há outro desenvolvimento, este sim, lógico que levaria a uma conclusão bem diferente, assim:
As gravações Nextel geralmente apresentam descontinuidades sistêmicas (premissa maior).
Descontinuidades sistêmicas podem ser reproduzidas em laboratório de modo não detectável na perícia técnica, sendo a gravação questionada do tipo Nextel (premissa menor).
Logo: “Não se pode garantir que as descontinuidades observadas são realmente sistêmicas”.
Observa o assistente técnico que todas as proposições (premissa maior, premissa menor e conclusão) são verdadeiras, ao contrário do pseudo-silogismo construído pelos peritos do Instituto, o qual, entretanto, serviu de base para as conclusões exaradas no Laudo submetido à sua apreciação, dele professor Ricardo Molina.
Nas suas conclusões, o assistente técnico, que se orienta por critérios técnicos e não circunstanciais, as gravações em tela (arquivos submetidos à perícia) contêm vícios cuja origem não foi devidamente esclarecida pelos peritos, e não podem ser validadas como prova técnica.
Para o assistente técnico, o Laudo Pericial não responde às questões centrais e baseia suas conclusões em comparações com outros objetos, objetos estes que sequer foram periciados, caindo num círculo vicioso, em que, para “autenticar” um objeto pericial, recorre-se a uma comparação com outros objetos não periciados. E se questiona o assistente técnico: quem garante a integridade destes outros objetos? Perseguindo a tortuosa lógica empregada no Laudo comentado, a “autenticidade” destes outros objetos seria novamente “testada” comparando-os com outros objetos também não periciados, e assim até o infinito.

Na visão do assistente técnico, os peritos do Instituto Nacional de Criminalística reconhecem não ter controle sobre todas as fases do processo de captação, de gravação, de codificação e transmissão dos dados para a Polícia Federal, sendo tais procedimentos executados pela operadora Nextel. Assim, concluem a respeito de um dos arquivos (gravação), justo aquela que contém a minha fala com o meu genro, que “a conversa está íntegra, ou seja, conforme enviada pela operadora Nextel”. E formula o assistente a seguinte indagação: Devem então, de agora em diante, confiar (cegamente) na operadora Nextel? Se for assim, melhor seria então, nos casos futuros, consultar diretamente os engenheiros da Nextel, dispensando os peritos do Instituto Nacional de Criminalística da fatigante empreitada.
(continua na próxima semana)
__________________________________________________________

Trecho do livro OPERAÇÃO HURRICANE: UM JUIZ NO OLHO DO FURACÃO (Geração Editorial), encontrável nas livrarias SARAIVA e também em www.saraiva.com.br, www.estantevirtual.com.br, www.bondfaro.com.br e em outras livrarias do País. 

sábado, 19 de outubro de 2013

FAMÍLIA CARREIRA ALVIM


Nesta foto, aparece Raimunda de Cássia, parte da nossa vida, que é personagem do livro OPERAÇÃO HURRICANE: UM JUIZ NO OLHO DO FURACÃO (Geração Editorial), no Capítulo 7: "Chuva de manás", que será contado proximamente no blog.

UM LIVRO DE AUTOAJUDA


O livro "OPERAÇÃO HURRICANE: UM JUIZ NO OLHO DO FURACÃO" (Geração Editorial) é um livro de autoajuda, porque faz bem à alma de quem foi vítima da justiça brasileira, principalmente os que serviram à "miragem" chamada "Justiça". 

Se quiser presentear alguém, dê-lhe de presente este livro, encontrável nas livrarias SARAIVA, e em www.saraiva.com.br, www.estantevirtual.com.br, www.bondfaro.com.br e em outras livrarias do País. 

POESIA FAZ BEM À ALMA


"Pálida sombra dos meus amores santos.
Passa, quando eu morrer, no meu jazigo.
Ajoelha-te ao luar e entoa um canto.
Que lá da morte eu sonharei contigo."

PARA MEDITAR E CONCLUIR


"Numa jornada, nunca se detenha sobre a distância que tem a percorrer, mas no destino aonde quer chegar". 
___________________________________________________________________


NOTA - É o que tenho feito depois do Furacão, aproveitando os ventos para produzir energia jurídica, brindando o universo jurídico com obras para a posteridade.

PARA QUEM PENSA QUE BOLSA FAMÍLIA É A SOLUÇÃO

"Dê pão a uma família e a estará alimentando por um dia. Dê-lhe um emprego e a estará alimentando para a vida toda."

LIBERDADE DE EXPRESSÃO

"Doutor, li o livro sobre a tragédia da tal Operação Hurricane. Estou esperando o próximo." (Strunfim)

"Estou completamente de acordo com o comentário de Jairo Vasconcellos. Há muito tempo já passamos pelo precipício. Entretanto, para alegria de alguns e tristeza de outros, o Zé Povão não enxerga isso. Só pensa em carnaval, copa do mundo, olimpíada, samba, futebol, pagode etc. Como alguns Juízes e Desembargadores gostam disso (dessa absoluta ignorância)! É nosso Poder Judiciário, o pior de todos os poderes segundo o grande historiador Marco Antônio Villa. No STF, 5 x 5, nos Embargos Infringentes, e em vários outros julgamentos demonstra apenas o seguinte: ou lá existem 5 grandes magistrados ou lá existem 5 grandes bestas quadradas. Só um perfeito e acabado idiota não entende a verdadeira "natureza" desses julgamentos "empatados". Mas, vamos em frente. Quem sabe se daqui a uns 200 anos não chegamos perto de uma França, de uma Dinamarca ou de uma Holanda? Afinal já estamos bem perto de Cuba, da Colômbia, do Paraguai, da Venezuela... Um forte abraço Dr. Carreira Alvim ."(Péricles de Matos).

"O pior de tudo, ilustre e culto Desembargador, é que ainda existem aqueles que querem ver esse tal de "Barbosão" Presidente da República, como se já não bastasse tanta arrogância e petulância em numa pessoa só. As coisas vão mal no Brasil, muito mal. Aliás, isso havia sido previsto pelo então Presidente Figueiredo. É difícil dizer isso, mas já estou há algum tempo sentindo saudade do regime militar. Pelo menos havia mais respeito. Um forte a braço." (Wanderley Teixeira de Medeiros).

AS 25 LEIS BÍBLICAS DO SUCESSO


Na próxima sexta-feira, dia 25, o professor e juiz federal WILLIAM DOUGLAS estará participando do programa CSB-NOTÍCIAS, na BAND-AM-RIO 1360 KHZ, das 20 às 21h, em que um dos temas abordados será o livro "As 25 Leis Bíblicas do Sucesso", em coautoria com o Dr. Rubens Teixeira.

Os ouvintes poderão participar, formulando perguntas, pelo telefone (21) 2543-1360, sendo sorteados 3 livros entre os participantes.

"Como usar a sabedoria da Bíblia para transformar sua carreira e seus negócios".

CARREIRA ALVIM ATUALIZA OBRA JURÍDICA EM DOIS VOLUMES



Obra, em dois volumes, sobre as reformas do Código de Processo Civil, contendo comentários às reformas a partir de 1994, destinadas aos operadores do direito.

PROVA TÉCNICA DESMENTE A POLÍCIA FEDERAL



(continuação)
___________________________________________________________

Esse conselho é bastante pertinente no caso em tela, pois fato é que de acordo com a abordagem dos peritos, a verificação da integridade/autenticidade das gravações questionadas, e mais dramaticamente aquela contida no Arquivo que contém a minha conversa com meu genro, está totalmente vinculada a critérios externos ao objeto pericial em si (a gravação propriamente dita) e depende de fatores como a “confiabilidade” da operadora, a integridade dos procedimentos de coleta, transmissão, manuseio de dados etc., procedimentos estes, aliás, que não foram acompanhados pelo assistente técnico, porque apesar de haver uma determinação judicial, a Polícia Federal não permitiu.
Ressalta o assistente técnico que a certas fases do processo sequer tiveram acesso os próprios peritos do Instituto Nacional de Criminalística; mas ainda assim, com extraordinária confiança em procedimentos além de seu próprio controle, concluem eles, a respeito da gravação com a minha fala com meu genro que “a conversa está íntegra, ou seja, conforme enviada pela operadora Nextel”. Com isso se entende que qualquer coisa enviada pela operadora Nextel tem o selo da autenticidade para os peritos do Instituto Nacional de Criminalística; pelo que se assim for o mais eficiente (ou pelo menos mais rápido) seria então, daqui em diante, recrutar os próprios engenheiros da Nextel para “autenticar” futuras gravações questionadas, em vez de nomear para isso os peritos daquele Instituto.
Para o assistente técnico, não é razoável autenticar uma gravação com base na presunção de “idoneidade” de qualquer indivíduo, empresa, agência etc., e, muito menos, como fazem os peritos do Instituto Nacional de Criminalística, comparando uma gravação questionada com outras, sem que se tenha provado que essas outras são autênticas; pois assim agindo se cai num círculo vicioso: “autenticou-se” um objeto pericial com base em analogias com outros objetos não periciados.
Acrescenta o assistente técnico professor Ricardo Molina haver uma gritante falha lógica neste tipo de abordagem feita pelos peritos, pois de acordo com a argumentação por eles desenvolvida, poderia ser construída a seguinte evolução de pensamento:
As gravações tipo Nextel geralmente apresentam problemas sistêmicos; sendo a gravação questionada é do tipo Nextel. Logo, os problemas observados na gravação questionada são sistêmicos. Assim é um pseudo-silogismo, pois a conclusão a que chegaram os peritos não é inferência necessária das premissas que eles mesmos colocaram. A falha do raciocínio dos peritos acima fica mais clara, para o perito, se trocar alguns termos, mantendo a estrutura (pseudo) lógica, tal como:
As aves geralmente voam (premissa maior).
O pinguim é uma ave (premissa menor).
Logo: “O pinguim voa” (conclusão).
Mas, na realidade, apesar de ser uma ave, o pinguim não voa.

(continua na próxima semana)
___________________________________________________________

Trecho do livro “OPERAÇÃO HURRICANE: UM JUIZ NO OLHO DO FURACÃO” (Geração Editorial), encontrável nas livrarias SARAIVA e também em www.saraiva.com.br, www.estantevirtual.com.br, www.bondfaro.com.br e em outras livrarias do País.

terça-feira, 15 de outubro de 2013

HINO DOS PROFESSORES

Como professor de Direito há mais de quatro décadas, hipoteco a minha irrestrita solidariedade a esses abnegados profissionais do ensino, que lutam por melhores condições de trabalho e reconhecimento da sua importância no futuro do País.
Para comemorar nada mais adequado do que o HINO DO PROFESSOR


video

DECEPÇÕES DE UM MAGISTRADO E ADVERTÊNCIA AOS FUTUROS JUÍZES



Tornei-me um juiz, por acreditar na justiça; lutei pela justiça por acreditar no direito; lutei pelo direito por acreditar nas instituições, e hoje, lamentavelmente, luto para mostrar que aquilo em que eu acreditava era, na verdade, uma "miragem", tão injusta e irresponsável quanto aqueles que a praticam; e que "injustiça" os seus próprios juízes.   

WILLIAM DOUGLAS NA BAND-AM-RIO


No próximo dia 25, última sexta-feira do mês, o professor e juiz federal William Douglas estará na BAND-AM-RIO 1360 khz, no programa CSB-NOTÍCIAS, que vai ao ar das 20h às 21h, falando, dentre outros assuntos, sobre o livro "As 25 Leis Bíblicas do Sucesso", em coautoria com o Dr. Rubens Teixeira, que estará no mesmo programa no próximo dia 29 de novembro. 
Os ouvintes poderão participar pelo telefone (21) 2543-1360. Serão sorteados três livros entre os participantes.
_______________________________________________

"Este livro se mostra precioso como norma de existir, renovando cânones esquecidos e reparando erros e enganos. Sua leitura nos prepara para uma prosperidade antes não conhecida. E, ao segui-lo, seremos capazes de ser os nossos sonhos. E - por que não? - os sonhos de Deus". (Carlos Nejar, membro da ABL). 

O MUNDO ACESSA O FURACÃO




Na semana que passou, o blog http://operacaohurricane.blogspot.com foi acessado, dentre outros países, nos EUA, Reino Unido, Ucrânia, Alemanha, Espanha, Casaquistão, Polônia, Portugal e Angola.
É o Mundo acompanhando o avesso da Justiça brasileira.

AVALIANDO A JUSTIÇA BRASILEIRA


Você já participou da enquete sobre a opinião dos internautas sobre a justiça brasileira?
Não?
Então veja: Ótima (5%) - Boa (2%) - Ruim (34%) - Péssima (57%).
__________________________________________________________________

Foi essa instituição (Justiça), à qual servi com dignidade por décadas, que, com base em montagens feitas contra mim pela Polícia Federal (ÉLZIO VICENTE DA SILVA), pelo então chefe do Ministério Público (ANTÔNIO FERNANDO DE SOUZA), com o aval do então ministro do STF (CEZAR PELUSO) acabei sendo acusado de haver vendido a minha dignidade; que por sinal, AINDA ESTÁ COMIGO, PORQUE NUNCA FOI VENDIDA, como imaginaram,  o que não acontece com aqueles que me meteram no olho do Furacão.

MENSAGENS QUE CHEGAM PELAS REDES SOCIAIS



"Fala quem sabe, respeita quem tem juízo. Como não entendo bulufas de lei, fico com quem tem autoridade pra falar. Aliás, o mundo dá muitas voltas, e quem hoje nada deve, amanhã pode estar sendo obrigado a pagar, inclusive, sem dever, e um recurso a mais pode ser a salvação. Estou com o senhor, Desembargador, e concordo em gênero, número e grau." (Dominique Keller).

"Dr. Gostaria de parabenizá-lo pela coragem! Alguns comentários ai em cima, referindo-se ao que Deus pode fazer pelo senhor são verdadeiros, pode acreditar! Outros que têm cunho de querer levá-lo a seguir religião, tome cuidado! Vou entrar em contato em outra oportunidade para trazer à sua memória dois julgamentos: um referente à sua participação; outro referente à participação do Min. Luz Fux quando era desembargador do TJ-RJ. Esses julgamentos não tiveram nem têm repercussão tão importante, mas tiveram destinos totalmente distintos ante o cuidado que o judiciário tem que ter com julgamentos envolvendo cidadãos de bem!" (Gilmar Rosa Moreira).

"É a fundamentação que legitima os juízes. Cabe à sociedade, por seus Mestres e Universidades, examinarem criticamente sentenças e votos. Nesse ponto, reina um abismo. Preferimos o emocional. Ora, os interesses são plurais; ninguém é imparcial. Logo, como diz a sabedoria popular, cada um "puxa brasa pra sua sardinha". O discurso jurídico é laudatório - e quase sempre cansativo - porque o sistema normativo é caótico; a doutrina idem. Que absurdo este, cinco votos a cinco sobre o cabimento ou não dos Embargos Infringentes! JÁ CAÍMOS NO PRECIPÍCIO, FAZ TEMPO." (Jairo Vasconcelos)

"Desembargador... Independente do que tenha acontecido ou não. O fato é o Brasil é um Estado Policial. É bom que sirva de reflexão a alguns juízes que se sentem Deuses, pois não o são, são pessoas mortais como todos nós. Se o senhor, um grande processualista, foi injustiçado imagine um cidadão comum, sem formação jurídica..." (Faber Tony).

A VERDADE TARDA, MAS NÃO FALTA

(...)
Uma das escutas, gravadas com autorização da Justiça e exibida ontem pelo "Jornal Hoje", da TV Globo, flagrou um preso conversando com a advogada Lucy de Lima sobre uma audiência com um ministro do STF:
-- O João te falou que eu consegui agendar com o ministro? -- pergunta Lucy.
-- Ele falou, dia 14 do mês que vem, né? -- respondeu o preso.
-- Escrevi um testamento para a assessora dele conseguir que ela agendasse. Sabe quem é esse homem que vou falar? É abaixo do Lula -- diz Lucy.
Segundo o Ministério Público, Lucy de Lima se referia ao ministro Cezar Peluso, que, na época, era presidente do STF.
Vinte dias depois, o preso voltou a conversar com a advogada.
-- Felipe, acabei de vim (sic) do homem! -- disse Lucy.
-- E aí, doutora? perguntou o detento.
-- Ele perguntou para onde aquele amigo do Felipe quer ir. Eu falei aquela (penitenciária) lá de Sorocaba,sabe? Mas ele falou pra eu falar pra qual quer ir.
Peluso não foi encontrado para comentar a reportagem. 
(...)
__________________________________________________________________

NOTA: Reportagem publica pelo jornal "O GLOBO" de domingo (13.10.13), primeiro caderno, página 10.

O então ministro CEZAR PELUSO (hoje na inatividade) foi quem autorizou e "conduziu" as interceptações dos meus telefones, quando eu era vice-presidente do TRF-2, monitorou toda a prova "manipulada" e, depois, como relator da ação penal no STF, recebeu contra mim uma denúncia oferecida pelo então procurador-geral da República (ANTÔNIO FERNANDO DE SOUZA), sem pé nem cabeça, baseado apenas nas suposições da Polícia Federal (ÉLZIO VICENTE DA SILVA).

EM VEZ DE TER SIDO JUIZ, EU DEVERIA TER SIDO VETERINÁRIO


Eu não sei o porquê da frase "Mais vale um cachorro amigo do que um amigo cachorro", porque os cachorros, nem de longe, podem ser comparados a determinados seres humanos. 
Se, ao invés de ter feito o curso de Direito e ingressado na magistratura brasileira, eu tivesse feito curso de Veterinária, e aberto uma clínica de animais, eu teria estado em melhor companhia do que estive ao longo da minha vida, não teria convivido com juízes, e nem teria sido injustamente jogado no OLHO DO FURACÃO. 

FUTURO DE CARREIRA ALVIM


Estes são os netos de Carreira Alvim, em Itaipava: João Silvério, João Pedro, Maria Luíza e Antônio.

PROVA TÉCNICA DESMENTE A POLÍCIA FEDERAL

(continuação)
________________________________________________________

Até a juíza formulou quesito, retomando uma pergunta antes formulada pela defesa, perguntando novamente aos peritos: “sob que condições técnicas pode a perícia garantir que determinada gravação é autêntica; insistindo a juíza em conhecer os elementos que permitiriam garantir a integridade de uma gravação; tendo os peritos mais uma vez escapado da análise do objeto pericial específico, limitando-se a afirmar que o arquivo (gravação) periciado é “idêntico” a outro arquivo “presente no DVD de backup (que é a cópia de segurança) do sistema de interceptação”, como se o vício existente num justificasse o vício existente no outro.
O mais grave em tudo isso, é o registro feito pelo assistente técnico de que não teve, em nenhum momento, acesso direto aos “outros” arquivos empregados pelos peritos do Instituto Nacional de Criminalística; esclarecendo não estar duvidando da lisura dos peritos, mas por ser uma questão técnica deve nesse âmbito ser discutida. O problema que viu o assistente com muita clareza é de ordem metodológica, dizendo respeito à própria definição de “autenticidade” de uma gravação.
De acordo com a argumentação desenvolvida no laudo pericial desse Instituto, uma gravação que, embora apresente descontinuidades, truncamentos no meio de falas, duração não coincidente com a presente no relatório, além de outros vícios, pode ser considerada “autêntica” se são eventualmente encontradas outras gravações com os mesmos vícios ou, apenas, se a gravação está “conforme enviada pela operadora Nextel” (afirmação contida na resposta ao quesito da juíza). E mais, poderá tal gravação ser considerada ainda autêntica, mesmo que os estranhos efeitos observados possam ser reproduzidos em laboratório de forma não detectável pela perícia. Ora, esta é uma definição bastante liberal do conceito de “autenticidade” e, certamente, não seria aceita pela imensa maioria dos peritos de fonética forense, sérios, que atuam na área.

A essa altura, cita o assistente técnico a opinião de um dos maiores expoentes em fonética forense do mundo, Harry Hollien, da Universidade da Flórida, numa obra intitulada The Acoustics of Crime (A acústica do Crime), dizendo que “A reputação ou integridade presumida do indivíduo/agência que fez a gravação não deve afetar a meticulosidade dos exames”.
(continua na próxima semana)
___________________________________________________________

Trecho do livro OPERAÇÃO HURRICANE: UM JUIZ NO OLHO DO FURACÃO (Geração Editorial), encontrável na livrarias SARAIVA e também em www.saraiva.com.br, www.estantevirtual.com.br, www.bondfaro.com.br e em outras livrarias do País. 

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

MENSAGENS QUE CHEGAM PELAS REDES SOCIAIS


Boa noite grande Dr. Alvim. Seu livro "Olho do Furacão" é excelente. Vale a pena ler. Boa noite e sucesso. Depois, decanta perseguição. (Karminha Sousa).
_________________________________________________________________


O problema da nossa "notável" Magistratura está no status, no poder. Alguns juízes, na verdade a maioria deles, ali estão por causa do status e do salário, e não por vocação. Isso é lamentável e perigosíssimo! A postura do Ministro Joaquim Barbosa (impublicável), por exemplo, fala por si só. Coitados daqueles que precisam da Justiça no Brasil. O que se tem visto nas decisões judiciais chega a ser alarmante. A verdadeira imprensa também vem sendo implacavelmente perseguida. Quanto ao todo-poderoso Ministério Público a coisa tende a piorar em razão da rejeição da PEC-37. Promotor de Justiça no Brasil é, sem exagero, verdadeiro chefe da Gestapo. Que Deus nos ajude, porque o Brasil vai mal, muito mal...! Um forte abraço, Dr. Carreira Alvim. (Péricles de Matos Moreira - Jornalista)  _________________________________________________________________

A justiça do Brasil até agora, só tem cometido injustiça, principalmente com aqueles que não podem contratar bons advogados. Mas vamos fazer o possível para defendê-lo, nem que seja no Face, pois ele tem grande repercussão. (Francisco Valderi Carvalho Carvalho).

UMA OBRA PARA OS OPERADORES DO DIREITO



A Juruá Editora reedita a obra de Carreira Alvim sobre "NOVA EXECUÇÃO DE TÍTULO EXTRAJUDICIAL (Comentários à Lei 11.382/06)", destinada aos operadores do direito (estudantes, advogados, procuradores judiciais, membros do Ministério Público e juízes. 

As obras de Carreira Alvim podem ser adquiridas pelo site www.jurua.com.br.

FALA DE UMA CINEASTA


"Pior do que não saber, é saber errado. A imprensa divulga de forma errada os propósitos do grupo. É uma campanha desigual, onde a mídia distorce os nossos objetivos por interesses próprios". 
_________________________________________________________________
NOTA: Palavras de Paula Lavigne sobre os comentários da mídia sobre a "Lei Roberto Carlos". 

FURACÃO É ACESSADO ATÉ EM BELARUS

Na semana que passou, o furacão foi acessado até em Belarus, uma república que fica no Leste da Europa, com 9,6 milhões de habitantes, com renda per capita de US$ 5,800.00 (dólares americanos), cuja capital é Minsk.

O blog foi acessado, também, nos EUA, Reino Unido, Alemanha, Ucrânia, Rússia, China, Portugal e Romênia, levando ao exterior a injustiça brasileira para com seus próprios juízes.  

PALADINO DA VERDADE

 
Tornei-me um juiz, por acreditar na justiça; lutei pela justiça por acreditar no direito; lutei pelo direito por acreditar nas instituições, e hoje, lamentavelmente, luto para mostrar que aquilo em que eu acreditava era, na verdade, uma "miragem", tão injusta e irresponsável quanto aqueles que a praticam; e que "injustiça" os seus próprios juízes.   

RECOMENDE O FURACÃO AOS INJUSTIÇADOS



Se você conhece alguém que foi injustiçado pela Justiça, recomende o livro "Operação Hurricane: um juiz no olho do furacão", que tem funcionado como um livro de ajuda para os desesperados com as armadilhas da justiça.
O livro poderá ser comprado nas livrarias SARAIVA, sendo também encontrável em www.saraiva.com.br, www.estantevirtual.com.br, em www.bondfaro.com.br e em outras livrarias do País. 

PARA REFLETIR


"Façamos de cada pedra em que tropeçarmos um degrau para subir mais alto".

domingo, 6 de outubro de 2013

MARIA LUIZA E JOÃO PEDRO



Estes são Maria Luiza e João Pedro, netos de Carreira Alvim, que, sem saberem do drama pelo qual passa o avô, curtem a vida na esperança de que no futuro a Justiça seja mais justa e menos irresponsável .

PROVA TÉCNICA DESMENTE A POLÍCIA FEDERAL

(continuação)
___________________________________________________________

Diante das características da gravação (ausência de ruído de fundo entre falas, descontinuidades durante trechos de fala etc.) seria possível detectar uma eventual manipulação? Certamente não! A ausência de ruído de fundo útil entre falas permitiria que trechos fossem suprimidos e/ou incluídos ou mesmo que a ordem dos eventos de fala fosse alterada sem deixar qualquer vestígio. Este seria um procedimento razoavelmente simples em processamento digital de sinais.
Nessa observação, o assistente técnico ilustra com as figuras 1 e 2 como uma montagem indetectável pode ser realizada, sem grandes dificuldades, neste tipo de material de áudio; figuras que são acompanhadas de legendas e sinais explicativos dos procedimentos.
Finalmente, perguntou a defesa se, diante das condições da gravação no supracitado arquivo (gravação), os peritos podiam garantir que não houve algum tipo de manipulação, em momento posterior, do arquivo, considerando exclusivamente suas características acústicas e não outros aspectos circunstanciais.
Nesse particular, observa o assistente técnico que o quesito, tal como formulado, admite apenas resposta direta, não havendo terceira opção possível, tanto linguística como logicamente. Insistimos, pois, em uma resposta que contemple, necessária e exclusivamente, uma dessas duas opções:
a) os peritos não podem garantir se a gravação contida no referido arquivo (gravação) não tenha sido, de algum modo, alterada de forma a não corresponder, exatamente, à conversação original.
b) os peritos garantem que a gravação contida no referido arquivo (gravação) não foi, de modo algum, manipulada. Neste caso queiram os peritos apresentar fundamentação técnica consistente que ampare tal conclusão categórica.
Os peritos consideraram o quesito prejudicado, justificando a sua posição afirmando que “não consideraram exclusivamente as características acústicas do áudio na realização do exame”.
Registra o assistente técnico que, se isto for verdadeiro, então a resposta ao quesito é possível sim, e seria: “considerando exclusivamente as características acústicas e não outros aspectos circunstanciais, não é possível garantir que a gravação [no Arquivo] não tenha sido, de algum modo, alterada”. Com efeito, essa é a resposta que se depreende da própria argumentação dos peritos.

(continua na próxima semana)
_____________________________________________________

Trecho do livro OPERAÇÃO HURRICANE: UM JUIZ NO OLHO DO FURACÃO (Geração Editorial), encontrável nas livrarias SARAIVA e também em www.saraiva.com.br, www.estantevirtual.com.br, www.bondfaro.com.br e em outras livrarias do País.


terça-feira, 1 de outubro de 2013

MENSAGEM DO JUIZ CARREIRA ALVIM AO JUIZ JOAQUIM BARBOSA.


Disse o presidente do STF Joaquim Barbosa, na mídia de hoje (1º/10/13), essa pérola:


“Só não aplica a lei aquele juiz que é medroso, é comprometido ou é politicamente engajado em alguma coisa”.


Uai, ministro! Foi assim que apliquei a lei, sem medo, sem comprometimento e sem engajamento, mas, mesmo assim fui preso pelo STF (leia-se ex-ministro CEZAR PELUSO), com base numa “montagem” criminosamente feita contra mim pela Polícia Federal (leia-se ÉLZIO VICENTE DA SILVA), mancomunada com o Ministério Público Federal (leia-se ex-procurador-geral da República ANTÔNIO FERNANDO DE SOUZA).


Eu só mandei liberar algumas máquinas de caça-níqueis, suspeitas de terem peças contrabandeadas (nada relativo a ilegalidade de bingo), porque foram apreendidas pela Polícia Federal, a pedido do Ministério Público, em casas que estavam funcionando com liminares concedidas pela justiça (por outros desembargadores do TRF-2, que não eu), e, portanto, sob o amparo da lei. Nunca dei decisão para “funcionamento de bingo”, e, no entanto, o STF (na sua composição plena) entendeu que dei, quando recebeu contra mim uma denúncia “estapafúrdia” (sem pé nem cabeça). Nunca foi encontrado nenhum dinheiro que eu tivesse recebido para dar as decisões que dei, e, no entanto, estou sendo processado por isso.


Nesse episódio, o STF aceitou que eu tivesse tido uma conversa que não tive; que recebi um dinheiro que não recebi; e que dei decisões para o funcionamento do bingo no Rio de Janeiro, que jamais proferi, porque os que deram tais decisões foram outros desembargadores do TRF-2, que continuam lá, como se nada tivesse acontecido.


Se o STF funciona assim, patologicamente, com base em mentiras e suposições, a quem devo recorrer para mostrar que ele está errado? Só tentando um canal direto com Deus para puni-los; se bem que o juiz também pensa ser um Deus, embora na maioria das vezes seja um diabo.

_______________________________________________________


NOTA: Tenham, sim, medo de dar decisões polêmicas, senhores juízes, porque, do contrário, poderão ser acusados (como fui) pela Polícia Federal, com a cumplicidade do Ministério Público e do STF de integrar uma quadrilha de qualquer coisa.