Pesquisar este blog

segunda-feira, 23 de abril de 2012

8ª RESPOSTA REDE UH NEWS CG MS

video

CARREIRA ALVIM NA BAND-RIO AM 1.360 KHZ.

No próximo dia 27, sexta-feira, das 20h às 21h, CARREIRA ALVIM estará no Programa CSB-Notícias, na BAND-AM Rio 1.360 khz, que pode ser ouvido também pela internet www.sempreaovivo.radio.br, em qualquer parte do Brasil.
Os ouvintes poderão fazer suas perguntas, que serão respondidas ao vivo durante o programa.

VOSSO CASO É UM EXEMPLO DA FALTA DE CARÁTER DOS "DEUSES" DO CHAMADO OLIMPO DO JUDICIÁRIO [O STF].

Dr. Carreira Alvim,
Infelizmente o nosso Judiciário é um berço de irresponsabilidades e injustiças. Vosso caso é um exemplo da falta de caráter dos "deuses" do chamado Olimpo do Judiciário [o STF].
Um abraço, força, sempre!.
Eder.

NOTA - Mensagem recebida pelo Facebook. 

SUA PRISÃO FOI UMA TORTURA FÍSICA E PSICOLÓGICA TOTALMENTE ABSURDA.


     Alvim,

     Esse rescaldo deve ser angustiante para você e sua família. Sua prisão foi uma tortura física e psicológica totalmente absurda. Desnecessidade total. Só porque se tratava de um juiz. Você, sua esposa, filhos, netos e outros de seu sangue levarão esse trauma por toda vida.
    A prisão injusta de uma pessoa comum causa um mal para o preso, sua família e para a sociedade. No caso de um magistrado, os danos se estendem também à imagem do próprio Judiciário. A repercussão é imediata e danosa.
     Em casos que tais, a Justiça deveria ser rápida na solução da lide para mostrar à sociedade se o juiz é ou não culpado. Não sendo culpado, deveria potencializar a mesma repercussão em sentido contrário. 
     É bem provável que a Justiça espere você completar 70 anos para não mais haver chance de retorno ao cargo. A honra do magistrado e de sua família termina virando detalhe. 
   Meu grau de compreensão me garante a existência de três julgamentos: 1) feito pelos homens, que é superficial; 2) feito pela consciência do suposto autor, que vai absolvê-lo ou condená-lo; 3) feito por Deus, que é justo, cabal, definitivo. Deus julga as partes e o próprio julgador. 
    Leia Eclesiastes. 
    Fraternal e solidário abraço. 
   Odilon de Oliveira - Campo Grande/MS


FURACÃO CIRCULA PELO BRASIL PARA MOSTRAR UMA FARSA.
            Para mostrar aos operadores do direito e à sociedade em geral  que "As prerrogativas da magistratura brasileira, na prática, valem menos do que uma folha de papel higiênico", estou palestrando pelo País, acerca do Furacão, a maior farsa montada contra um juiz que mais não fez do que exercer com dignidade a sua função. No próximo dia 11 de maio estarei em Porto Velho (RO) e no dia 14 de maio em Barbacena (MG), onde será lançado o livro OPERAÇÃO HURRICANE: UM JUIZ NO OLHO DO FURACÃO (Geração Editorial).
       Maiores informações sobre os locais e horários das palestras serão repassados nos próximos blogs.

CONTAS BANCÁRIAS BLOQUEADAS


(Continuação)
 
"Nunca entendi bem essa decisão, se bem que a cabeça de juiz, mesmo quando ele é um ministro, nem sempre é entendível, porque pela sua decisão eu podia emitir cheques da Caixa, por onde eu recebia os vencimentos de desembargador, mas não poderia emitir cheques do Banco do Brasil, por onde eu recebia os meus vencimentos de professor; a não ser que o ministro tivesse alguma picuinha com o Banco do Brasil.
Nessa ocasião, tomei também conhecimento de que não haviam sido desbloqueados os meus vencimentos do mês de abril, porque a determinação do ministro se referia apenas aos vencimentos a partir da data da intimação e os vencimentos de abril haviam sido bloqueados antes.
Para resolver mais rapidamente esse impasse, pedi à gerente da minha conta que indagasse à consultoria do Banco a respeito, e obtive a confirmação de que realmente o desbloqueio só valia de maio em diante.
O pior não foi o bloqueio dos meus vencimentos, que depois vieram a ser desbloqueados, mas o fato de eu não poder fazer nenhum depósito nas minhas contas, nem de um centavo que fosse, porque era imediatamente bloqueado. Apenas o que viesse a ser depositado pelo Tribunal e pela Universidade estava liberado pelo Supremo Tribunal Federal.
Como eu tinha emitido cheques pré-datados, em razão da construção da nossa casa de Itaipava, acabei punido por mais uma falta de razoabilidade da Justiça, pois, quando a minha conta corrente baixava do limite azul e eu entrava no vermelho, eu não podia nem fazer depósito para cobrir meu débito, porque era imediatamente bloqueado."

                    Trecho do livro OPERAÇÃO HURRICANE: UM JUIZ NO OLHO DO FURACÃO (Geração Editorial), encontrável em www.saraiva.com.br e em www.bondfaro.com.br 

DEPOIMENTO DOS INDICIADOS



 (Continuação)
"Logo que entrei, vi que lá estava sentada uma senhora, à direita da cadeira onde sentaria o delegado, que supus devesse ser um membro do Ministério Público Federal, e realmente era uma subprocuradora-geral da República.
Quando chegou o delegado que não fiquei sabendo quem era, ele sentou-se, fez a minha identificação de praxe, e algumas perguntas sobre o meu patrimônio, que respondi prontamente, e quando deveria passar aos fatos objeto da investigação, ele mesmo se encarregou de me dizer: “Sobre os fatos, o senhor vai ficar calado, não é? Porque foi isso que fizeram os seus colegas”.
Respondi afirmativamente, sem saber a que colegas se referia, porque não perguntei, mas acredito que devesse ser ao desembargador Ricardo Regueira, pois o juiz trabalhista Ernesto Dória já tinha sido ouvido na carceragem do Rio de Janeiro, supondo que com isso seria imediatamente liberado, embora não o tenha sido.
O meu advogado fez algumas intervenções técnicas durante o meu depoimento, que o delegado federal atendeu, fazendo constar, mas também não me lembro sobre o que foi.
A subprocuradora-geral da República, presente à inquirição, passou-me a impressão de que iria formular perguntas, mas quando o delegado federal lhe perguntou se tinha alguma pergunta a fazer ela disse que não.
Dali fui encaminhado a uma sala ao lado para ser “fichado”, para que fossem feitos alguns registros sobre a minha pessoa, tendo eu respondido, nessa oportunidade, a todas as perguntas que me foram feitas pelo meu inquisidor. O desembargador Ricardo Regueira foi “ouvido”, quase concomitantemente, pois, assim que saí, ele entrou"."

(Continua na próxima semana).
 
Trecho do livro OPERAÇÃO HURRICANE: UM JUIZ NO OLHO DO FURACÃO (Geração Editorial), encontrável em www.saraiva.com.br e em www.bondfaro.com.br 

O DEZ CAPÍTULOS DO FURACÃO


(Continuação)

"No Capítulo 4, relato os terríveis e angustiantes movimentos do furacão, na carceragem da Polícia Federal no Rio de Janeiro; o exame de corpo de delito pelo qual fui despido para ser exposto ao ridículo; a surpresa do encontro com o desembargador Ricardo Regueira, que foi a maior vítima dessas infâmias; como fomos tratados com “restos de pizzas” pelos delegados federais, passando fome e sede; as necessidades fisiológicas feitas na presença de um policial federal, sem o direito de fechar a porta da privada; e a luta da minha filha com o pai e o marido injustamente presos.
No Capítulo 5, mostro o deslocamento do furacão em direção a Brasília; as revistas constrangedoras a que os agentes federais me submeteram na Base Aérea do Galeão; a chegada à carceragem em Brasília, onde fui de novo despido e examinado, passando por novo constrangimento; a prisão comum com grades e tudo onde fomos colocados eu e o desembargador Ricardo Regueira, apesar de a Constituição nos garantir prisão especial, em sala de Estado Maior; a colocação numa cela em que o banheiro não tinha porta e onde havia espaço para dois presos, mas fomos postos seis.
No Capítulo 6, trato dos momentos em que estive no “olho do furacão”, na carceragem em Brasília; as intimações do Supremo Tribunal Federal, que em vez de serem feitas aos nossos advogados, todos de plantão naquela Corte, eram feitas pela televisão; os banhos de sol na carceragem, onde conheci os outros detidos na operação furacão, e onde vim a reconhecer dois homens, que vim a saber ali serem bingueiros, mas que tinham estado no almoço no restaurante Fratelli que os ministros do Supremo e os conselheiros do Conselho Nacional de Justiça concluíram ter sido um encontro para negociar minhas decisões; a visita inesperada do então presidente da Associação dos Juízes Federais, juiz Walter Nunes, que viu todo o desrespeito contra as prerrogativas dos juízes, mas não conseguiu fazer com que o ministro Cezar Peluso as corrigisse após os ofícios que fez denunciando tudo; o arrependimento de um delegado federal, preso na mesma operação; a tomada de depoimentos de desembargadores federais por um delegado federal, quando nem na área administrativa um servidor de hierarquia inferior participa do julgamento de um funcionário de hierarquia superior; a saída da carceragem e as lembranças do cárcere."
(continua na próxima semana)

Trecho do livro OPERAÇÃO HURRICANE: UM JUIZ NO OLHO DO FURACÃO (Geração Editorial), encontrável em www.saraiva.com.br e em www.bondfaro.com.br

DEPOIMENTO PRESTADO POR CARREIRA ALVIM, NO RIO DE JANEIRO, E QUE O CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA NÃO LEU.


(Continuação)
 
PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO
(Notas Taquigráficas SAJ/CORTAQ)
 

Eu até dizia para o Doutor Pedro que o problema aqui é que, se eu fosse o Advogado, o recurso naquele caso seria melhor que uma reclamação para o STJ. Mas quem sou eu para dizer para os Advogados o que eles fazem e o que eles não/fazem? Não sou eu. Por quê? Porque as minhas decisões, Excelência, só valiam até a admissão do recurso - vou mostrar para Vossa Excelência depois. E não foi por causa desse negócio de Furacão, porque isso foi acontecer muito tempo depois. Eu dava liminar e, quando Chegava o recurso eu dizia: "Fica sem efeito" porque, se eles fossem para o STJ eles não iriam dizer que a competência era nossa. Ele é que tinha que se virar, por -exemplo, para negar Iiminar, para apreender  máquina ... Entendeu? Então, eu ia mandar para ele lá. Confesso a Vossa Excelência que eu até tirava eficácia da liminar para deixar a responsabilidade em cima deles lá porque "afinal de contas, são Juízes superiores a nós.
Então, nesse caso da Betec  poderia até haver um recurso mais adequado. Eles tentaram, por exemplo, um mandado de segurança, que o  REGUEIRA extinguiu. Aí eles optaram pela reclamação, que, aliás, depois estive vendo as transcrições do voto do Ministro, em que ele cita Regimento Interno do Tribunal que o autoriza a conceder liminar, etc, etc.,
Agora dizer para Vossa Excelência ... É aquilo eu digo: eu tinha relação com o MEDINA? Não. O MEDINA - acho que Vossa Excelência ainda nem estava na Magistratura - esteve, à frente em duas administrações da AMB, todavida foi um homem muito respeitado. Em Minas Gerais, a consideração que o mineiro tem por ele é muito grande. Eu prefiro acreditar ... Não entrei em nenhum desses pormenores porque já tenho problema demais para tomar conhecimento desses fatos, porque isso me faz muito mal, principalmente sendo pessoas que  conheço, que têm quarenta e tantos anos de Magistratura para serem jogados na lama como esse  processo jogou o MEDINA, é injusto.
Torço para que exista céu e inferno para que essas pessoas possam  prestar contas a alguém, num plano espiritual porque infelizmente os meus anos de Magistratura -- nem sei quantos tenho, entrei em 1989 - e os quarenta do MEDINA não valem nada porque um grupo de policiais recém entrados, onde há uma briga feroz - eu acompanho essa história, porque muitos deles jogam bola lá e estão sempre comentando os problemas públicos deste País -, quer dizer, pessoas que não sabem quem são as pessoas que eles estão investigando, jogam na lama uma pessoa com um passado desse.
Doutor ABEL, não é por ter  ou não ter feito, não; mas deveria ter tido  uma investigação em sigilo de justiça e prévia para saber se isso que a Polícia Federal fez é certo, porque não foi.
Nós temos laudos do assistente técnico que mostra que houve manipulação nesse caso.
Agora, fizeram isso com ele... Eu até comentava com o Doutor Pedro. Aliás, sabe que aqui nesta Casa, não sei se por que esta Casa é minha, hoje disse para minha filha para entrarmos pelo nosso elevador, porque eu ainda sou Desembargador desta Casa, sinto-me muito à  vontade e nós estamos conversando. É como se Vossa Excelência estivesse me perguntando como aconteceram os fatos e eu estivesse relatando. Com a Doutora tenho pouco relacionamento, talvez nenhum, mas é de uma instituição a que eu pertenci, cuja associação eu até ajudei a fundar.
Mas quando eu vi, o Advogado do Ministro MEDINA falar na tribuna do Supremo que ele estava sofrendo muito porque tinha vergonha de olhar os filhos dele e os amigos nos olhos ... (continua na próxima semana).


36