Pesquisar este blog

domingo, 8 de setembro de 2013

PERÍCIA DA POLÍCIA FEDERAL EM XEQUE.


(continuação)
___________________________________________________________

Se bem analisada a perícia realizada pelo Instituto Nacional de Criminalística da Diretoria Técnico-Científica do Departamento de Polícia Federal, um órgão da própria política, vê-se que na verdade ela não comprova nada contra ninguém, simplesmente porque não existe nenhuma conexão entre as palavras ou pequenas frases ditas pelos interlocutores, conexão esta desvirtuada pelos cortes feitos de forma proposital para descontextualizar o os diálogos.
Se essa prova servir para provar alguma coisa contra alguém, aliada às demais provas referidas no relatório da Polícia Federal, todas consistentes em simples suposições, sem nenhum substrato concreto de veracidade, então sou obrigado a reconhecer que sou um neófito em matéria probatória, apesar de ter passado grande parte da minha vida analisando provas.
A Polícia Federal por seu Instituto Nacional de Criminalística por certo não diria, como não disse, que houve cortes nas conversas, o que poria de vez por terra o relatório feito pela própria Polícia Federal; e que emprestou suporte à minha prisão temporária e, depois, à denúncia contra mim perante o Supremo Tribunal Federal, tendo como principal suporte essa canhestra peça.
_______________________________________________________________
 
Trecho do livro OPERAÇÃO HURRICANE: UM JUIZ NO OLHO DO FURACÃO (Geração Editorial), encontrável nas livrarias SARAIVA e também em www.saraiva.com.br, www.estantevirtual.com.br, www.bondfaro.com.br e nas livrarias de todo o Pais.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário