Pesquisar este blog

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

GRAMPOS NO GABINETE DO DESEMBARGADOR (parte inicial)



"Numa democracia, em que se acredita que os princípios constitucionais são respeitados, a última coisa que eu poderia supor é que o meu gabinete pudesse ser objeto de escuta ambiental, a uma, por conta da dignidade do cargo de vice-presidente, e, a outra, porque eu exercia a minha função com a maior dignidade, nada tendo feito que me comprometesse.
Aliás, eu nem sabia que essa prática de grampeamento, que pela Lei do Grampo deveria ser excepcional, tinha-se tornado uma rotina na vida judiciária, por determinação da própria Justiça.
Em maio de 2006, foi requerida quebra do sigilo telefônico do meu genro, Silvério Júnior, numa medida cautelar penal, requerida pelo Ministério Público Federal, cujo verdadeiro fundamento era o fato de ser ele casado com a minha filha, pedido esse deferido pela juíza da justiça criminal do Rio de Janeiro, interceptações estas sucessivamente prorrogadas pela juíza, tendo a última delas mostrado a necessidade da remessa do processo ao Supremo Tribunal Federal, que é a mais alta corte de justiça do país."
(continua na próxima semana)
____________________________________________________________

Trecho do livro OPERAÇÃO HURRICANE: UM JUIZ NO OLHO DO FURACÃO, encontrável em www.saraiva.com.br, em www.estantevirtual.com.br, na Livraria La Selva (nos Aeroportos) e em outras livrarias em todo o Brasil. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário