Pesquisar este blog

domingo, 27 de maio de 2012

COMEÇO DE UMA JORNADA (continuação)


"(...) A minha vida de estudante, que já era dura, acabou duríssima com a morte do meu pai, pois eu ganhava como auxiliar de escritório um salário abaixo do mínimo, em torno de dezessete mil cruzeiros na época, quando o salário mínimo era de vinte e um mil cruzeiros; salário este que não era suficiente para atender às poucas necessidades da casa, para ajudar no sustento da família.
Lembro-me que tínhamos um colega de Faculdade, Toninho baiano, natural de Teófilo Otoni, que fazia a festa da casa todas as tardes dos finais de semana, pois, chegando lá, mandava comprar pó de café, pão e manteiga; e só então tínhamos um lanche farto, porque durante a semana o que tínhamos era apenas o suficiente para sobreviver.
Como eu era o único homem adulto e solteiro na família, coube-me a tarefa de conduzir as minhas irmãs e um irmão ao seu destino, missão que cumpri com a maior grandeza e dignidade.
Eu me dispus a fazer o curso de Direito por conta das injustiças que sofrera ainda criança, e o meu desejo era um dia ser um juiz e poder fazer a justiça que, desde então, trazia na minha alma.
Tive uma grande decepção na minha vida, que, bem cedo, mostrou-me que viver era bem mais difícil do que me parecia, e que eu precisava ser cauteloso na minha caminhada, ensinamento que, se tivesse aprendido, teria talvez me poupado do furacão que se abateu sobre mim.
Sendo o meu pai um político, a nossa casa era frequentada por inúmeros deles, o que me passava certa segurança, porque eu supunha que pudesse contar com a ajuda desses “amigos” em qualquer eventualidade.
Estava equivocado, pois, além de todos nos virarem as costas depois da morte do meu pai, que já não lhes rendia votos, um deles sequer nos recebeu na sua casa, quando eu e minha mãe o procuramos na esperança de me ajudar a conseguir um emprego.
Essa decepção me mostrou que a vida era uma batalha, e que eu só teria chance de vencer a custa do meu próprio esforço, pelo que passei a estudar com afinco, para terminar o meu curso de Direito e fazer um concurso público; e foi isso que fiz."
____________________________________________________________
Trecho do livro OPERAÇÃO HURRICANE: UM JUIZ NO OLHO DO FURACÃO (Geração Editorial), na sua terceira edição, encontrável em www.saraiva.com.br e em www.bondfaro.com.br 

Nenhum comentário:

Postar um comentário