Pesquisar este blog

domingo, 12 de fevereiro de 2012

MINISTRO PELUSO DO STF JULGA PROCESSO JULGADO PELA SUA PRÓPRIA FILHA-JUÍZA.

     "Sem saber, o vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cezar Peluso, criticou duramente a própria filha, a juíza Glaís de Toledo Piza Peluso, durante o julgamento ocorrido na quinta-feira (dia 7) em que o plenário do STF proibiu o uso indiscriminado de algemas.
     Na ocasião, o Supremo anulou por unanimidade um júri presidido por Glaís em Laranjal Paulista em 2005, no qual o pedreiro Antonio Sérgio da Silva foi condenado a 13 anos e meio por homicídio. Segundo os ministros, incluindo Peluso, a juíza errou ao determinar que Silva permanecesse algemado durante o júri.       
     De acordo com eles, a decisão da juíza prejudicou a imagem do réu perante o júri, que é formado por leigos. Ao aparecer algemado, ele pode ter passado a idéia de que era uma "fera", segundo o STF.
     Durante o julgamento no STF, ninguém se deu conta de que a juíza sobre a qual todos falavam e criticavam era filha de Peluso. Nem o próprio vice-presidente do tribunal. Se tivesse notado, provavelmente ele teria se dado por impedido de  participar do julgamento. Mas ele não só participou como também criticou.
     Peluso disse que o ato contestado pelo pedreiro era ilícito e que teria ocorrido provavelmente por "inexperiência" da juíza. Hoje, a assessoria de imprensa do STF confirmou que a decisão derrubada pelo plenário era mesmo de Glaís e disse que Peluso não sabia que a própria filha tinha sido responsável por esse caso na 1ª Instância. Esse desconhecimento ocorre porque quando um recurso chega ao STF ele contesta a decisão anterior, no caso do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Em nenhum momento durante o julgamento foi citado o nome de Glaís."


OBS:  ASSIM COMO O MINISTRO PELUSO JULGOU UM PROCESSO EM SABER QUE A JUÍZA ERA SUA FILHA, RECEBEU DENÚNCIA CONTRA MIM,  "PENSANDO" QUE EU ERA UM CORRUPTO. NOS DOIS CASOS, FALTOU UMA VERIFICAÇÃO ACURADA DOS FATOS, COM BASE NA PROVA DOS AUTOS.

Nenhum comentário:

Postar um comentário