Pesquisar este blog

domingo, 1 de setembro de 2013

PERÍCIA DA POLÍCIA FEDERAL EM XEQUE


(continuação)
_________________________________________________________
 
Como se vê, a conversa que a Polícia Federal gravou, como ela própria comprova, não tem nem pé nem cabeça, porque as palavras que dariam sentido às frases foram simplesmente “cortadas”, pela razão de que o que foi cortado não interessada, pois as minhas conversas com o meu genro eram sobre viagens e compras de passagens dos participantes do encontro de Buenos Aires.
O laudo pericial revela que nada menos do que em dez oportunidades as gravações apresentam total ausência de ruídos de fundo, o que é um sério indício de que alguma coisa está errada, sendo que em algumas delas o som aparece repentinamente.
Apesar de o laudo falar a todo momento que as falas são de um supostos interlocutores, eu e meu genro, não são supostos não, pois somos nós mesmos, pelo que o fato de termos conversado é verdadeiro, só não sendo verdadeira a versão do fato.
A grande preocupação do laudo pericial foi mais a de identificar as vozes como sendo minha e do meu genro, o que nós nunca negamos, do que propriamente o conteúdo e o sentido da conversa que supôs que tivéssemos tido ao telefone.
                  (continua na próxima semana)
                 ____________________________________________________
 
                  Trecho do livro OPERAÇÃO HURRICANE: UM JUIZ NO OLHO DO FURACÃO (Geração Editorial), encontrável nas livrarias SARAIVA e também em www.saraiva.com.br, www.estantevirtual.com.br, www.bondfaro.com.br e nas livrarias de todo o País.

Nenhum comentário:

Postar um comentário