Pesquisar este blog

sábado, 11 de maio de 2013

TUMA JR. CONTA COMO MINISTROS DO STF FORAM GRAMPEADOS

(Por Pedro Canário)
_____________________________________________________________________
 
(continuação)
A primeira informação de grampo ao ministro Gilmar Mendes foi vazada em agosto de 2007. Policiais federais disseram que haviam interceptado uma ligação que comprovava que o então presidente do STF havia recebido “mimos” da construtora Gautama, investigada pela operação navalha, da PF. As informações, à época, eram que a Agência Brasileira de Inteligência, a Abin, era quem estava comandando as escutas e as operações de grampo. O episódio custou o cargo do então diretor da Abin, Paulo Lacerda.
Mas o que Tuma Jr. contou a Tognolli é que eram delegados e agentes da Polícia Federal que estavam no comando das operações. Ele cita, por exemplo, Protógenes Queiroz, então delegado e responsável por grandes operações, e o agente Idalberto Matias de Araújo, o Dadá. “Protógenes, Dadá e seus gansos e agentes fizeram uso dessa maleta para grampear todos os ministros do STF e o Lacerda pagou o pato”, resume o livro.
______________________________________________________________

(continua na próxima semana)

NOTA: Tudo o que a Polícia Federal fez comigo e com o desembargador Ricardo Regueira, nos grampeamentos de telefones, fez com ministros do STF, mas só que, quanto a estes não teve a coragem (ou a covardia) de fazer "montagens" para comprometê-los.
Pela Constituição "todos são iguais perante a lei", mas, na prática, "uns são mais iguais que os outros".

Nenhum comentário:

Postar um comentário