Pesquisar este blog

domingo, 17 de fevereiro de 2013

UM INESQUECÍVEL AMIGO E JURISTA

Faz parte da sabedoria popular, que o ser humano não morre de uma só vez, mas vai morrendo aos poucos, quando perde cada integrante do seu universo afetivo, composto do círculo familiar e de amigos, até que, não tendo nada mais a perder, estará morto, mesmo que ainda existindo.
Um dia, ainda criança, perguntei à minha avó, já idosa, considerando a sua experiência da vida, com que idade gostaria de morrer, e a resposta veio na base da sabedoria: “Quando eu tiver perdido todas as pessoas a quem amo”.
No último dia 15 de fevereiro, perdemos, familiares e amigos de Sálvio de Figueiredo Teixeira, um pedaço precioso do nosso universo afetivo, o que significa que morremos um pouco mais, além daquele em que continuaremos morrendo a cada dia, na nossa passagem pela vida, em direção ao INFINITO.
Não vou falar, aqui, do profissional do direito, porque o juiz, o desembargador e o ministro Sálvio de Figueiredo Teixeira todos os operadores do direito conhecem, não apenas pelas suas obras jurídicas, mas, sobretudo, pelos votos proferidos no Superior Tribunal de Justiça, sobre questões que, quaisquer que fossem, eram impregnadas de sensibilidade social, sentimento, infelizmente, ausente em muitos dos juízes dos nossos dias.
Quero registrar, nesse momento, o outro lado desse jurista, que somente os que conviveram com ele podem avaliar.   
Agora que partiu para onde todos partirão um dia, deixa-nos um legado de vida, pleno de boas recordações, de sensibilidade judicante  e, sobretudo, de sabedoria jurídica, que faz com que o nosso amigo e jurista continue entre nós, pois o que torna um jurista imortal não é a sua presença, mas o seu passado, retratado na sua obra jurídica, verdadeiro passaporte para a Imortalidade, e o de Sálvio é do tipo passaporte diplomático.
Sálvio era um ser humano que a todos encantava, e os que dele se aproximavam tornavam-se seus amigos, tendo o editor Arnaldo Oliveira, da Livraria Del Rey Editora, talvez o mais ardoroso de todos, tomado a iniciativa de criar uma entidade que congregasse tanta amizade, surgindo assim a “Sociedade dos Amigos do Sálvio” (SAS), e que, sempre que surgia uma oportunidade, reunia os associados; e, quando essa oportunidade demorava a surgir, era provocada, ensejando a presença do seu patrono, para um bate-papo regado de muito bom humor.
Para reunir-se, a SAS não precisava de um motivo, bastando-lhe um pretexto, na medida em que o importante não era o tema do encontro, mas a presença de Sálvio, pois o assunto partia dele e se concentrava nele; todos queriam curtir o amigo, que era realmente uma companhia inigualável.
Eu nem sei se a SAS tem personalidade jurídica, com registro em cartório, e, a meu ver, nem precisaria ter, porque uma sociedade que tem o nome de Sálvio é daquelas que se registra na alma, no coração, no espírito, tornando-se, assim, indelével, per omnia saecula saeculorum.
Pessoalmente, não cheguei a me tornar um sócio efetivo da SAS, nem a participar dessas reuniões, mas tivemos, eu, a Tetê, minha mulher, minhas filhas e genros a rara oportunidade de conviver com o Sálvio e sua mulher Simone, também amiga de alma, e, sempre que possível, com seus filhos, o que nos fez tornar sócios anímicos dessa entidade, porque amamos muito o ser humano e amigo que a inspirou.
Uma das mais difíceis situações em que me encontrei, até hoje, foi a de ter que dar à Tetê a notícia de que o seu ex-professor na Faculdade de Direito da UFMG e amigo fraterno, já não estava mais entre nós, pois ela vinha planejando visitá-lo em Brasília, assim que surgisse uma oportunidade, e esta já não fazia mais sentido. Não adiantou muito ter adiado a notícia,  porque dada no dia seguinte, o sentimento da perda foi o mesmo, e ela chorou muito o passamento.
Partiu Sálvio, o patrono da SAS, mas ficam as boas lembranças da convivência com o amigo Sálvio, que passou pela nossa vida, deixando tão boas e profundas marcas, que o tempo será incapaz de remover.
Que DEUS o tenha na sua Glória, Sálvio, e dê aos que ficaram o necessário consolo, no aguardo da sua hora de partir.



Nenhum comentário:

Postar um comentário