Pesquisar este blog

domingo, 30 de dezembro de 2012

DEPOIMENTO PRESTADO PELO DESEMBARGADOR CARREIRA ALVIM, NO RIO DE JANEIRO, E QUE O CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA NÃO LEU.



 PODER JUDICIÁRIO  
TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO
(Notas Taquigráficas  SAJ / CORTAQ)   (Audiência,16.4.2010)
___________________________________________________________

(continuação)

Como é que uma juíza manda que um assistente técnico acompanhe uma perícia e os policiais lá do Instituto Nacional de Criminalística dizem que não podem revelar para o assistente a metodologia que eles utilizavam?       

Isso para Vossa Excelência ver onde está o princípio da ampla defesa, e a quantas anda nesse País. 

O Molina pegou e fez as considerações dele. O Ricardo Molina é um dos maiores peritos desse País. Quer ver o que ele diz aqui? Não vou ler o laudo dele. Vou ler alguma coisa.
Então, nós temos gravação um e gravação ... 

DESEMBARGADOR FEDERAL ABEL GOMES (RELATOR): Até porque o laudo está  nos autos, até  para podermos abreviar .    

DESEMBAGADOR FEDERAL JOSÉ EDUARDO CARREIRA ALVIM (REQUERIDO): Aqui tem uma marca registrada, Doutor ABEL, que é essa “minha parte em dinheiro”

DESEMBARGADOR ABEL GOMES (RELATOR): Sim.

DESEMBARGADOR FEDERAL JOSÉ EDUARDO CARREIRA ALVIM (REQUERIDO): E as duas coisas mais importantes que ternos aqui é essa conversa do JÚNIOR e esse um milhão. São essas duas coisas.            
Não vou ler a perícia. Vou ler só os trechos. 

DESEMBARGADOR FEDERAL ABEL GOMES (RELATOR): Perfeito. 
DESEMBARGADOR FEDERAL JOSÉ EDUARDO CARREIRA  ALVIM (REQUERIDO): Eu não vou lera perícia toda, mesmo porque não precisa. 

DESEMBARGADOR FEDERAL ABEL GOMES (RELATOR): Ok. 

DESEMBARGADOR FEDERAL JOSÉ EDUARDO CARREIRA ALVIM (REQUERIDO): Em primeiro lugar, quer ver uma coisa? A denúncia diz:  CARREIRA  ALVIM -- isso a Globo mostrou: “Aquela ideia sua; parte em dinheiro, tá?" Pode deixar. Está tudo na cabeça, não se preocupe não, JÚNIOR. Essa frase não existe. De onde essa ideia surgiu?' A perícia revelou que o que aconteceu lá foi o seguinte: conversa em andamento: "Pode  falar, Doutor. Tá me ou?" "Tô." "Aqui, aquela ideia sua, a, ou, a, arte em dinheiro, tá?" ''Não, Doutor. Pode deixar, já está tudo na cabeça aqui. Pode deixar, não se preocupe." "Está bom, querido. Obrigado! Tchau." "De nada. Até mais tarde." 
Disso aqui, a Polícia Federal deduziu que eu tinha pedido minha parte em dinheiro. A Globo; inclusive, montou, porque a Globo passou assim: "quero minha parte em dinheiro, tá." 

O que eles tinham feito? Eles tinham dito aqui e ele diz que o SILVÉRIO JÚNIOR recebera  um carro Mercedes-Benz - placa: LDW 0847.

(continua na próxima semana)
_____________________________________________________________
                                                                                                              Pág. 73
                                                                   
     NOTA: Faço uma correção nesse depoimento, quando eu disse que “a Polícia Federal deduziu que eu tinha pedido minha parte em dinheiro”, porque, na verdade, foi a própria Polícia Federal  (ÉZIO VICENTE DA SILVA) que montou essa frase com recortes de palavras extraídas de conversas minhas, que não tinham nada a ver, para fazer crer ao Ministério Público Federal (ANTÔNIO FERNANDO DE SOUZA), que acreditou, e o STF (CEZAR PELUSO) que aceitou, que eu tinha pedido minha parte em dinheiro. Portanto, ela não “deduziu” nada, porque ela própria “MONTOU A FARSA”, para fazer alguém acreditar.
     Tudo isso é produto de uma MONTAGEM que faz mal a todas as instituições nacionais, que se envolveram para me impedir de chegar à Presidência do TRF-2 e me tirar da magistratura (POLÍCIA FEDERAL, MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL E SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL). Por incrível que pareça, foi o que aconteceu. E isso é que será revelado, se esse maldito processo chegar ao seu final. 
     O carro Mercedes-Benz,  placa LDW 0847, também foi produto da imaginação da Polícia Federal, do Ministério Público e do Supremo Tribunal Federal, porque ele nunca pertenceu ao SILVÉRIO, tendo sido encontrado em poder da empresa que era a sua proprietária. 
     A Polícia Federal e o Ministério Público têm tanta certeza de que a Justiça, com aquela venda nos olhos, não enxerga um palmo à frente do próprio nariz, que não se intimidam em fazer essas MONTAGENS, quando querem detonar alguém, ainda que esse alguém seja um desembargador federal, com credibilidade nacional, pela obra científica que produziu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário