Pesquisar este blog

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

DEPOIMENTO PRESTADO PELO DES. CARREIRA ALVIM, NO RIO DE JANEIRO, E QUE O CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA NÃO LEU.



PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO

(Notas Taquigráficas SAJ/CQRTAQ) (Audiência, 16/4/2010)                                                  _____________________________________________
(continuação)

 [...]

No Restaurante Fratelli, vamos registrar que quem estava presente foi o Procurador Castellar Guimarães, o Júnior -- as pessoas que eu lembro -- e uma pessoa que veio com ele; que eu não sei quem é. As pessoas que chegaram depois eu não sei quem foi . Se estiveram lá, se é José Renato, se é Jaime. Podem ter estado lá. Se foi me apresentado esse nome eu não gravei. E esse Sérgio Luzio não estava. Esse homem nunca despachou comigo. O Procurador-Geral da República [ANTÔNIO FERNANDO DE SOUZA] faz tudo -- eu vou mostrar aqui- para relacionar que ele foi colher despacho comigo. Nunca foi. E ele, no seu depoimento, diz isso: que ele não conhecia o Desembargador CARREIRA ALVIM, que nunca despachou com o Desembargador CARREIRA ALVIM.

(Lê)

''Pararam todos no passeio em frente ao restaurante. Depois, seguiram destino, nos mesmos veículos em que chegaram: José Renato e o homem não identificado..."

Era o Castellar Guimarães. Como eles iam dizer que era um Procurador de Justiça? Eles preferiram pôr "homem não identificado" para parecer que era um bingueiro, entendeu?                    

(Lê)

 "...no porsche de José Renato; Júnior e CARREIRA no pajero de   Júnior; Jaime seguiu no astra. .. " 
 Eles acharam que pondo esses nomes de carros assim... O carro do meu genro é tão velho! Colocando "uma pajero", significa... É uma... 

(Lê)

 "Ao se despedirem, Jaime ruma, em uma demonstração de grande intimidade, beija no rosto de CARREIRA e de José Renato."
                 
Informação de 18 de janeiro, que desmente aquela lá de trás; em que ele fala aquele negócio do (ininteligível)... e de SILVÉRIO.
Quer dizer, como alguém, pelo fato de dar um beijo no rosto de outro, significa demonstração de amizade? Se uma pessoa está conversando. Você é machão, não gosta de beijo. Se um homem chegar e te der um beijo no rosto, o que você vai fazer? Dar um tapa na cara dele?  Você fica sujeito a isso. E as pessoas, Doutor ABEL, gostam de mostrar intimidade conosco, pela posição que nós ocupamos. Gostam de mostrar que têm intimidade.    
Não viu tanta aleivosia que esse DÓRIA falou, um homem com quem eu falei duas ou três vezes ao telefone, que eu nem conhecia, que foi dizer que esteve na minha casa? Nós não podemos responder por essas maluquices, por essas demonstrações de falta de discernimento.  
_________________________________________________________
(continua na próxima semana)                                                                                         67
                                                                                                                    

Nenhum comentário:

Postar um comentário