Pesquisar este blog

domingo, 21 de outubro de 2012

DEPOIMENTO PRESTADO PELO DES. FED. CARREIRA ALVIM, NO RIO DE JANEIRO, E QUE O CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA NÃO LEU.


PODER JUDIClÁRIO
TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO
(Notas Taquigráficas SAJ/CORTAQ)                                 Audiência, 16/4/2010

(continuação)
_________________________________________________________

Vamos adiante.

Ele [o então procurador-geral da República FERNANDO ANTÔNIO DE SOUZA] disse aqui que:

(Lê)  

"Carreira Alvim externa o medo de estar sendo investigado e diz que não atenderá mais aos pedidos de Regueira para beneficiar, casas de bingo."

Isso é mentira! Esse procurador-geral é um criminoso, falando isso, porque não houve essa conversa, nos autos não tem nada, Doutor ABEL. Não tem nada. Se tivesse, ele teria colocado [a conversa]. No inquérito não tem nada. REGUEIRA entrou na minha sala para conversar comigo sobre o áudio e depois voltou para pedir se eu podia dar uma liminar para o Arthur Falk viajar, porque Vossa Excelência tinha indeferido. Foi para isso que ele entrou. Esse homem está morto, é preciso que se respeite a alma dele. Para dizer que ele entrou que ia me fazer pedido. Como ele não ia me fazer pedido se ele nunca me fez pedido nenhum? O REGUEIRA não tinha esse caráter, que a Polícia Federal tem. O REGUEIRA era um homem de bem, era um homem que acreditava em Deus. REGUEIRA morreu, achando que ia encontrar com o Acrísio [filho dele] lá em cima. Ele morreu assim. Eu, como sei que ninguém vai encontrar com ninguém... Mas ele achava que ia encontrar, achava que ia encontrar comigo [quando eu fosse]. Mas vai me esperar muito tempo, porque primeiro tenho de lavar minha alma aqui embaixo. Mas ele achava isso.         
 ...Mas ele achava que ia encontra comigo.  Vai me esperar muito tempo, porque eu tenho que, primeiro, lavar a minha alma aqui embaixo. Ele achava isso: "Eu quero encontrar como você no Paraíso". Era um homem bom. Nunca fez maldade com ninguém. Não sei por que um ser humano tem a capacidade de fazer isso com outra pessoa [principalmente com o REGUEIRA].

Mas quando eu falei Doutor ABEL... Às vezes, eu me entusiasmo tanto, que eu esqueci as "Informações da Polícia Federal". Aliás, "encontros", vários encontros aqui de CARREIRA ALVIM."          

(Lê)

"Informação policial de 18 de janeiro de 2007-- encontro com Jaime, Júnior e Carreira e José Renato, no Fratelli”.

"A única pessoa que eu sabia que ia estar lá era o JÚNIOR, que me levou. E o outro, eu pensei que fosse o Castellar Guimarães. Esse resto aqui é "papagaio de pirata". Ele apareceu lá, achou que eu fosse almoçar com o Castellar e, por alguma ligação que tinha... E pode ser até que tivesse segundas, terceiras, quartas, quintas, intenções, mas acontece que não aconteceu nada. Não surgiu assunto nenhum, ninguém pediu nada, não aconteceu nada”.

(Lê)
_________________________________________________________
  (continua na próxima semana)                                                   63

NOTA - Primeiro: eu nunca fui um juiz medroso e nem covarde, porque se fosse, talvez não tivesse passado (e ainda estou passando) pelo que fizeram comigo, e com a cabeça erguida, embora tenha vergonha das instituições que temos. Segundo: muito menos o "medo de estar sendo investigado", porque a minha vida é limpa, e eu não tenho "rabo preso". Tanto que me acusaram de receber "propina", mas nada foi encontrado, até hoje, nem nas minhas contas nem nas contas da minha família. Terceiro: o  "externa o medo", dito por ANTÔNIO FERNANDO DE SOUZA, é fruto da sua fértil imaginação (coisa que aliás nunca falta à Polícia Federal e ao Ministério Público, e até  a Ministro do STF, especialmente CEZAR PELUSO (hoje aposentado e longe dos holofotes). 
Na verdade, eu fui acusado de ter proferido decisões para o "funcionamento de bingos" no Rio de Janeiro, mas os desembargadores federais que, realmente, deram essas decisões estão lá, no exercício da função. EU e o REGUEIRA não demos nenhuma, a não ser nas cabeças de FERNANDO ANTÔNIO DE SOUZA e do ex-ministro CEZAR PELUSO. 
Conto essa história no meu OPERAÇÃO HURRICANE: UM JUIZ NO OLHO DO FURACÃO (Geração Editorial)
                                                 
                                                                                                                          

Nenhum comentário:

Postar um comentário