Pesquisar este blog

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

DEPOIMENTO PRESTADO POR CARREIRA ALVIM, NO RIO DE JANEIRO, E QUE O CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA NÃO LEU.

 
TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO
(NotasTaquigráficas SAJ/CORTAQ)            (Audiência, 16/4/2010)                              
 (continuação)
___________________________________________________________
uma... Como fizeram comigo, sem que eu tivesse dado nenhum motivo para fazer, eu fico esperando, primeiro, que as coisas aconteçam com os outros.
 
(Lê)
 

"Permite ostensiva riqueza dos seus principais integrantes e a distribuição em forma de vantagens econômicas a servidores em valores variáveis de acordo com o nível de influência..."

 
Peguem a minha declaração de Imposto de Renda, meu Deus do Céu!.
 
Doutor ABEL, o REGUEIRA um dia falou comigo assim: "CARREIRA, o meu problema com a Justiça, não foi com a Justiça. Foi que a Receita Federal me infernizou a vida e chegaram até a depositar vinte mil reais." Ele está me ouvindo lá de cima, se tiver esse poder para saber que me disse isso. Vinte mil reais, e me pediu explicação, que não era dinheiro meu.
                                                                                                                                                                 
Sabe o que a Delegacia da Receita Federal fez? Vasculhou a minha vida. Virou minha vida de perna para baixo. Sabe o que pegou? Bobagem: Eu cheguei a receber cobrança... Sempre vinha assim: "Vossa Excelência, recebeu no ano de 2006 cento e cinquenta reais do Instituto Israelita, não sei das quantas, e não declarou. Agora, calculados os juros e a correção monetária, Vossa Excelência tem que pagar três ou quatro mil e não sei quanto." Foi isso o eles pegaram.
 
Eu fiz uma doação para Luciana, e eles disseram que eu calculei mal a doação e, portanto...  
 
Eu sei que as multas que tenho que pagar... nesse ponto, eu estou igual ao LULA DA SILVA -- devem girar em trinta ou quarenta mil reais pelo volume de coisas que eles foram escarafunchar para dizer que eu estava devendo. Como eu estou com sessenta e cinco anos, eu digo: ''Não lembro, não devo, não nego, .mas também não pago, porque Desembargador não tem condição de pagar, de modo que, quando eu morrer, vocês ajuízem ação contra o meu espólio."
Estou fazendo esses registros, porque acho que isso vai ficar para a história. Este meu depoimento neste Tribunal ainda vai ser motivo e razão de uma mudança de comportamento da Polícia Federal, do Ministério Público e da Justiça. Mas depois que nós passamos por esse furacão, é como se a natureza tivesse nos dado asas: o peso do corpo não importa. Fica tão leve!
 Hoje em dia, quando alguém liga para mim: "Se Vossa Excelência não pagar, vai para o SPC." Eu durmo tranquilo. A Receita está dizendo que, se eu não pagar, me executa. Pode executar. Quer dizer, quem passou pelo que eu passei... E as pessoas pensam, às vezes, que essa foi uma desgraça na minha vida. Eu vou fazer esse registro aqui porque a sociedade vai saber: eu estava com vinte e dois anos de idade, quando o meu pai, Advogado, foi assassinado em uma cidade do interior por conta de uma demanda. Eu tive que assumir a responsabilidade da minha família com nove irmãos. Criamos todos. Levei para Belo Horizonte... Eu trabalhava das sete da manhã na Faculdade de Farmácia até o meio-dia: pegava na Faculdade (...)
 
(continua na próxima semana)
                                                                                                                 55
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário