Pesquisar este blog

domingo, 13 de maio de 2012

CHEGADA DE UMA GUERREIRA


"Numa situação como a desencadeada pela operação Hurricane, a família se revela o suporte indispensável para manter o preso de pé, mas, na carceragem da Polícia Federal, esse apoio é muito difícil, para não dizer impossível mesmo, para quem não tenha um advogado ou advogada na família.
A Ordem dos Advogados do Brasil, enquanto instituição que congrega os advogados, vale pouco ou nada nessas horas, pois nenhum dos seus altos dirigentes se dispõe a fazer prevalecer a Constituição e as leis sobre o contradireito, respaldado pela força policial, fato que pude comprovar na minha passagem pela Polícia Federal; e não foi alguém que me contou não, tendo eu próprio constatado isso por mim mesmo.
Ao advogado são reconhecidas mais prerrogativas do que se reconhecem a um juiz, porque ao advogado é permitido avistar-se com o seu cliente sempre que necessário, e, nesse ponto, salvo casos eventuais de incomunicabilidade temporária, o acesso do advogado ao cliente não encontra obstáculos.
 A minha irmã, Maria Helena, juíza federal em Minas, esteve na carceragem da Polícia Federal em Brasília, mas não pôde me ver porque não era dia de visita e ela não era advogada; tendo eu ficado sabendo que o mesmo aconteceu com a juíza Lana Regueira, mulher do desembargador Ricardo Regueira, que só conseguiu se avistar com o seu marido depois que deu o grito na porta do gabinete do ministro Cezar Peluso no Supremo Tribunal Federal" 

(Continua na próxima semana)
_____________________________________________
 Trecho do livro OPERAÇÃO HURRICANE: UM JUIZ NO OLHO DO FURACÃO, encontrável para compra em www.saraiva.com.br e em www.bondfaro.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário