Pesquisar este blog

domingo, 18 de dezembro de 2011

UMA DESCULPA ESFARRAPADA PARA EXPLICAR OS ERROS DA JUSTIÇA.

No programa FANTÁSTICO, do dia 4 de dezembro passado, o ministro CEZAR PELUSO declarou que casos de erros de identificação de condenados, manando para a prisão quem não praticou crimes, são raros e decorrem de um equívoco coletivo, pois falha a política, falha o Ministério Público, falha o Poder Judiciário e falha até a própria defesa, que não consegue fazer prova do erro de identificação. 
Mas, será que é da defesa o direito de provar que o acusado é inocente, ou é dever do Ministério Público provar que ele é culpado?
 Os fatos noticiados pelo FANTÁSTICO demonstram que a Justiça condena sem provas,  sem saber a quem está condenando e também por que está condenando.

NOTA - A explicação do ministro presidente do STF é, no mínimo, uma explicação esfarrapada, para encombrir os erros judiciários, que metem inocentes na prisão por décadas. 
Na verdade, falha a polícia, que investiga mal, falha o Ministério Público, que não prova, e falha a justiça que não sabe fazer uma avaliação dos fatos e das provas. 

Um comentário:

  1. Infelizmente em pleno século 21, estes erros vem acontecendo frequentemente,pois meu esposo estar preso há 5 meses,acusado de um crime que não cometeu,onde a vitima foi morta e o namorado da vitima que se encontrava com a ela em local deserto no momento em que foi sequestrada e''única testemunha'' acusa o meu marido de ser o autor do crime. Foi realizado vários exames a exemplo do DNA e o carro foi periciado e nada foi encontrado que viesse a confirmar a acusação até mesmo o retrato falado do acusado não condiz com o do meu marido, as informações dadas pelo adolecente são contraditorias o guarda municipal continua preso, mesmo depois de tantos exames e falta de provas a justiça não leva em conta as testemunhas de que o acusado estava em outro municipio no dia e hora do crime. Neste meio tempo sofre a familia e amigos pois sabem da inocencia do acusado. ONDE ESTÁ OS DIREITOS HUMANOS??? A QUEM RECORRER???

    ResponderExcluir