Pesquisar este blog

domingo, 20 de novembro de 2011

DEPOIMENTO PRESTADO POR CARREIRA ALVIM NO PROCEDIMENTO NO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, MAS QUE ESTE CONSELHO NÃO LEU.

DESEMBARGADOR FEDRAL JOSÉ EDUARDO CARREIRA ALVIM (REQUERIDO): (...) "Quando eu perguntei para o Delegado: "Mas, quem mandou me prender?" E me chamou e falou comigo assim: "O senhor tem que nos acompanhar até a Polícia Federal", e eu falei: "Para quê?". E ele falou: "Para o senhor depois checar lá as coisas que nós apreendemos aqui". Eu disse: "Não preciso checar, não". "Se vocês estãocom a autorização judicial, vocês estão deixando aqui uma relação dos bens que foram apreendidos". "Não, mas o senhor tem que ir. Eu tenho aqui um mandado contra o senhor". Eu falei assim: "Quem expediu esse mandado?" 'CEZAR PELUSO". Pumba. Aí que a vhica caiu. Aí eu falei assim: "Gente, PELUSO é quem mandou expedir essa ordem de prisão contra mim". Aí passei a mão no telefone e ele disse que eu não podia ligar. Eu falei assim: "Como não? Ei tenho que saber desse ministro." Não consegui falar com ele, porque ele saiu de Brasília. Ninguém o achou. Eu liguei para o ministro PEÇANHA MARTINS. Todos os ministros que eu posso dizer que eram meus amigos tentaram achá-lo e não o acharam. Ele simplesmente sumiu do mapa. Ele mandou fazer isso e desapareceu no mapa.".
         Aí eu virei para o delegado e falei assim: "Escuta aqui, cadê a assinatura?. Não tinha, estava borrado: era uma cópia. "Cadê o mandado de prisão?". Não, nós não temos mandado de prisão". Eu falei assim: "Então, voces querem me levar para prender?" Peguei a minha carteira e motrei para ele: "Olha aqui, minha prisão é para que eu seja encaminhado ao Presidente do Tribunal". O que, aliás, para mim, não seria nada confortável, porque seria na presença de CASTRO AGUIAR, que é uma pessoa que eu não quero ver nem na Eternidade, se me for permitido. Então, o que acontece? Ele se virou para im e falou assim: Desembargador, se o senhor não for por bem, o senhor irá à força." Aí eu chamei a síndica do meu prédio, chameio o senhor Lucas, chamei minha empregada, chamei todos e falei para eles assim: "Olha, o delegado está me convidando para ir para a Polícia Federal, mas acontece que ele disse que, se eu não for, ele me leva a força. Quem é convidado, não aceita e é levado à força, está sendo preso. Então, só quero que voces testemunhem que eu estou sendo presendo SEM MANDADO DE PRISÃO. Veja a garantia deste País democrático de LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA, em que alguém chega e tira um Desembargador de dentro de casa SEM MANDADO DE PRISÃO! Nem a isso, eu tive direito! E me levaram para a carceragem da Polícia Federal, em Brasília, e me colocaram lá. E a partir daí é assunto que não interessa a este inquérito, mas que a sociedade vai saber no momento muito oportuno, porque eu vou viver para contar essa história. 
       Se fazem isso ou fizeram isso comigo, Excelência, que sou quem sou, com a obra que tenho, com o trabalho que realizei, com os ministros me conhecendo, porque fiz palestras para todos eles, transmitindo conhecimento, eu juro por Deus: eu tenho muito medo pelo João da Silva deste País. Eu tenho muito receio pelas pessoas que realmente são simplesmente cidadãos e trabalhadores deste País."

TRECHO DO DEPOIMENTO. NA PRÓXIMA SEMANA TEM MAIS.

Nenhum comentário:

Postar um comentário