Pesquisar este blog

domingo, 29 de junho de 2014

QUANDO O PODER É INJUSTO


"Também não me assusta quando o desembargador e jurista de estirpe Carreira Alvim narra no seu livro o fato de a Polícia Federal "plantar" prova em inquérito policial. Vale conferir o que ele conta a respeito:
'As pessoas supõem erradamente que a Polícia Federal, pelo só fato de ser a Polícia Federal, não seja capaz de plantar provas para comprometer alguém, sobretudo quando esse alguém é um magistrado, mas a verdade é que é; e não foram poucas as vezes em que como juiz me deparei com provas plantadas por ela; e, diga-se de passagem, mal plantadas. Recordo-me que, de certa feita, tive em mãos um processo penal por tráfico internacional de cocaína, que tinha sido desmembrado em virtude do grande número de réus. Nesse processo aparecia como chefe da quadrilha um réu que havia sido reconhecido por meio de fotografia, e como tal prova não é consistente, em em face de outros elementos constantes dos autos, votei pela sua absolvição, no que fui acompanhado pelos demais desembargadores. A pena aplicada a ele pelo juiz federal tinha sido nada menos do que quarenta anos de prisão. Posteriormente, os dois outros processos desmembrados vieram também para o meu julgamento, por estar eu com a competência preventa, e nesses dois outros processos aquele que havia sido condenado no processo não aparecia como chefe, senão como um simples membro da quadrilha. A partir daí, concluí que no primeiro processo a prova por meio de fotografia tinha sido plantada pela Polícia Federal, digerida pelo Ministério Público Federal e deglutida pelo juiz federal, que com base nela impusera a condenação (pág. 65)'.
No meu caso, a prova de escuta telefônica foi tergiversada pelo delegado que primeiro presidiu o inquérito na Polícia Federal, de nº 1.003/2006, Alessandro Batalha. E as transcrições foram poucas: até um "É!" -- de uma fala com a ex-examinadora e ex-membro da Comissão de Estágio e Exame de Ordem, Mônica Flauzino Mendes -- foi interpretado como concordância com o esquema criminoso envolvendo outras pessoas.” 
__________________________________________________________________

Trecho do livro  QUANDO O PODER É INJUSTO (Editora Kelps), de autoria do advogado Eládio Augusto Amorim Mesquita, onde narra a "trama diabólica" porque passou acusado do que não fez pela Polícia Federal, até que os autos do processo viessem a ser arquivados, a pedido do Ministério Público Federal. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário