Pesquisar este blog

sábado, 14 de setembro de 2013

PROVA TÉCNICA DESMENTE A POLÍCIA FEDERAL




Como a perícia levada a efeito pelo Instituto Nacional de Criminalística da Polícia Federal em Brasília, através de laudo técnico foi acompanhada pelo Professor Ricardo Molina, na qualidade de assistente técnico da defesa do meu genro, fez ele os necessários comentários ao referido laudo, sendo importante ressaltar algumas passagens das suas observações, que demonstram a imprestabilidade do exame técnico levado a efeito nas gravações das conversas que interessavam ao processo.

Diz o assistente técnico que, para alguns quesitos, embora tenham sido os mesmos elaborados de forma a delimitar claramente o aspecto técnico em foco, não há resposta satisfatória ou, pelo menos, direta, como acontece com o quesito a seguir.

Foi pedido pela defesa aos peritos oficiais para analisar, espectralmente, todos os intervalos de silêncio entre falas subsequentes; e responder se gravação, nesses trechos de silêncio, apresentava alguma informação espectral de fundo que pudesse ser empregada para garantir a continuidade da gravação?

Como resposta, os peritos remetem a sua resposta a um outro item do laudo.

Nesse particular, registra o assistente pericial professor Ricardo Molina que o quesito, tal como formulado, comportaria uma simples resposta afirmativa ou negativa, não havendo qualquer necessidade de remeter à longa discussão do item remetido. 
(continua na próxima semana)
____________________________________________________________

Trecho do livro OPERAÇÃO HURRICANE: UM JUIZ NO OLHO DO FURACÃO (Geração Editorial), encontrável nas livrarias SARAIVA e também em www.saraiva.com.br, www.estantevirtual.com.br, www.bondfaro.com.br e nas demais livrarias do País. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário