Pesquisar este blog

sábado, 20 de julho de 2013

DESMONTANDO A TRAMA


"Uma das grandes preocupações do meu advogado sempre foi com as minhas conversas, gravadas pela Polícia Federal com autorização do Supremo Tribunal Federal, porque eu tinha a minha consciência tranquila do que tinha conversado com meu genro; nada parecido com o que suponha (e sabia) a Polícia Federal que houvéssemos conversado.
Em diversas oportunidades em que estive com meu advogado ele me fazia ver a importância de uma perícia nos discos rígidos que continham a minha conversa com o meu genro; e ninguém mais que eu desejava isso, porque eu tinha certeza de que havia sido vítima de uma farsa montada pela Polícia Federal.
Fazendo uma verificação auditiva da minha conversa com o meu genro, verifiquei que realmente o que conversáramos naquela oportunidade nada tinha a ver com as suposições da Polícia Federal; e isso poderia ser facilmente comprovado por uma perícia técnica.
Ficava a imaginar a razão pela qual a Contra-Inteligência da Polícia Federal, em quem se supõe um mínimo de bom senso e responsabilidade seria capaz de montar uma conversa para me incriminar, sabendo que essa maquinação poderia ser desmontada por uma perícia técnica; a não ser que tivesse o único propósito de desmoralizar, para que eu não chegasse à presidência do Tribunal; mesmo que mais tarde pudesse ser desmentida."
(Continua na próxima semana)
_________________________________________________________
Trecho do livro OPERAÇÃO HURRICANE: UM JUIZ NO OLHO DO FURACÃO (Geração Editorial), encontrável nas livrarias SARAIVA e também em www.saraiva.com.br, www.estantevirtual.com.br , www.bondfaro.com.br e nas livrarias de todo o País.

Nenhum comentário:

Postar um comentário