Pesquisar este blog

terça-feira, 5 de julho de 2011

SINOPSES DO LIVRO OPERAÇÃO HURRICANE

“O desembargador federal J.E. Carreira Alvim passou por um grande choque: um dia era o vice-presidente do Tribunal Regional Federal da 2ª. Região, e, no dia seguinte, um preso comum numa carceragem da polícia federal, acusado de crimes que não praticou, divulgados espalhafatosamente pela Rede Globo e Televisão. Além de ver seus direitos de magistrado ignorados pela polícia federal – preso sob mira de fuzis e metralhadoras, como se fosse um perigoso marginal –, ele se viu envolvido numa esfarrapada investigação, que não tinha o menor fundamento. As escassas provas montadas contra ele pela polícia federal, todas manipuladas, mereciam ser analisadas com um mínimo de atenção e bom senso, mas isso não aconteceu. O desembargador Carreira Alvim acabou preso e afastado da magistratura, tendo a mídia irresponsável e sensacionalista o divulgado como um corrupto, mas seu processo, passados já quatro anos, desde a sua prisão, ainda não foi julgado, encontrando-se literalmente parado no Supremo Tribunal Federal.
Para cidadãos que agem dentro da lei, o presente relato é assustador; e necessário, porque pensarmos que vivemos num verdadeiro Estado democrático de direito.”  
“Pode um desembargador federal ser preso como um criminoso comum e sem mandado de prisão?
Pode um processo em segredo de justiça ser diuturnamente divulgado pelos meios de comunicação, especialmente pela Rede Globo de Televisão? 
Pode o Supremo Tribunal Federal aceitar uma acusação contra um desembargador federal sem antes, fazer um exame responsável das provas produzidas pela polícia federal e apresentadas pelo Ministério Público para verificar se são realmente consistentes? 
Definitivamente, não!
Nesse relato surrealista, o autor revela as perigosas relações entre polícia federal e a Rede Globo de Televisão, e entre desembargadores do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, a polícia federal e o Ministério Público Federal, pondo em evidência que interesses escusos e obscuros pretenderam destruir o magistrado e jurista, J. E. Carreira Alvim, uma das maiores expressões do Direito Processual Civil brasileiro da atualidade. 
O autor expõe, com a clareza e o cuidado de professor e jurista, com nomes e sobrenomes, um imenso rol de absurdos, convidando o leitor a refletir sobre o futuro dos juízes que, neste País, não fazem o jogo do poder.” 

Nenhum comentário:

Postar um comentário